D. Manuel Clemente agradece às famílias da diocese de Lisboa a entreajuda e oração em tempos de pandemia

D. Manuel Clemente agradece  às famílias da diocese de Lisboa a entreajuda e oração em tempos de pandemia
Patriarca de Lisboa escreve às famílias da diocese por ocasião da habitual Festa da Família que, devido à Covid-19, foi adiada para 2021.

O Patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, escreveu uma carta às famílias da diocese onde agradece “tudo o que conseguiram fazer neste tempo difícil para se manterem unidas na entreajuda e na oração, bem como na atenção às necessidades dos seus vizinhos e outras pessoas mais fragilizadas”. 

 

Para D. Manuel Clemente “pais e filhos, avós e parentes, constituem o núcleo básico de entreajuda e carinho onde a comunidade ganha o seu primeiro rosto e exercício”. Daí que “a promoção e proteção das famílias deve ser o primeiro objetivo de qualquer sociedade organizada”. Quando a crise sanitária e económica atinge a vida de tantas pessoas, D. Manuel Clemente afirma que “ temos muito a fazer nesse sentido”. 

 

Palavras que o Patriarca de Lisboa tencionava dizer às famílias na Festa da Família agendada para o Domingo da Santíssima Trindade, dia 7 de junho, mas que devido à Covid-19 não se realizará.

 

D. Manuel Clemente recorda o tempo de confinamento das famílias como “tempo inédito de concentração em casa e proximidade constante entre os seus membros” e a “redescoberta da dimensão doméstica da Igreja”. Muitos seguiram as “celebrações eucarísticas e os tempos de oração” através dos media e multiplicou-se a “recitação familiar do rosário”. E “na impossibilidade de receção dos sacramentos” incrementou-se “a antiga prática da comunhão espiritual”.

 

Novos hábitos que se ganharam e que D. Manuel Clemente gostaria que continuassem “complementando a indispensável prática sacramental e comunitária que se irá retomando, com a cautela necessária para que a pandemia não retorne”.

 

“Rezo para que tudo continue ou se recupere desta forma, para que a Igreja se defina realmente como “família de famílias” (Amoris Laetitia, 87), tal como começou”, escreve.

 

Por fim, o Patriarca de Lisboa saúda, em especial, os casais que neste ano celebram bodas marcantes do seu matrimónio. “Confio muito no que o Espírito de Deus faz nas famílias e através delas, rumo a uma sociedade que se torne mais familiar também!”, conclui D. Manuel Clemente.


 

Terça, 2 de Junho de 2020